Pede pra Sair! (II)

3 comments
Meses atrás eu ignorei. Deixei de postar uma resposta a um comentário quando um aluno de Ensino Médio disse que eu estava muito equivocada com a minha opinião sobre o programa “Você é melhor do que um aluno da 5ª série?”. Mantenho minha opinião, e ainda mais indignada. É que na reclamação, este mesmo aluno comentou que se não fosse o programa, ele não teria acertado uma questão na prova. De que prova ele estava dizendo, sinceramente eu não sei. O que eu sei: se um aluno de Ensino Médio responde perguntas de Ensino Fundamental, realmente alguma coisa está muito errada no sistema educacional. E nós sabemos disso. Todos nós sabemos.

De qualquer forma, é sempre bom saber opinião de aluno. Então, navegando pelos blogues companheiros, um desabafo: “O Nada Acadêmico (ou: Tamanho é Documento)”. Se eu não estivesse sentada, cairia. Frase feita a minha? Para competir com os pensamentos tão impensados de BC, aluno do Ensino Superior (conclusão minha após ele citar as normas da ABNT).

“Fico me perguntando: qual o propósito de se fazer um certo trabalho com 25 páginas para uma disciplina quando se poderia dizer tudo em 5 ou menos?”

Caro BC, você poderia me explicitar que disciplina com mais de 40 horas pode ter tudo resumido em cinco folhinhas? Se você quer refresco, porque não vai fazer curso técnico para continuar sendo operador de telemarketing?

“Sim, há o impacto visual: 25 páginas encadernadas, com capa, folha de rosto, duas folhas de índice e mais duas de referências lá no final é algo que realmente parece ter algum conteúdo. Mas se você espremer, torcer, esmiuçar ou seja lá por qual processo se queira extrair o sumo do trabalho, não obteria mais do que as 5 páginas já citadas.”

BC, é tão triste ver um aluno de Ensino Superior pensar tão pequeno assim. É até a página 5 que você vai? E isso é um padrão? Tipo, quando você namora alguém, só vai até a página 5? Quando você vai pedir emprego, só vai até a página 5? Pois então lhe dou a sentença: quando a namorada virar para a página seis, aquela que você resumiu até não poder mais, só vai te restar pedir pra sair. Pede pra sair! Do emprego também, já que das páginas seguintes você ficou só com as palavras-chaves. Talvez elas lhes sirvam para quem é de menos, tanto quanto você. E toda panela tem sua tampa, mesmo.

“Mas, claro, seria um ato vergonhoso entregar um trabalho com menos de uma dezena de folhas. «Onde você pensa que está?», perguntariam os docentes balançando aquele maço insignificante de folhas diante da fuça do aluno. «Isso aqui é sério, rapaz, quero pelo menos 20 páginas!» E eis que daí surge o mais puro e absoluto Nada, enrolação, encheção de lingüiça, "lero-lero”.

É, BC, agora você tem razão. É de fato vergonhoso entregar um trabalho tacanho. Onde você pensa que está? Isso aqui é sério, rapaz, quero pelo menos 20 páginas, quem sabe assim o “maço” deixa de ser “insignificante”. Palavras suas, lembra? É só ler aí em cima. Ato falho, né? Freud explica, e com muito mais de 20 páginas, pode crer, filhotinho.

“Gráficos fora de contexto extraídos diretamente da pesquisa de imagens do Google, grandes imagens e logotipos para ganhar linhas, espaçamento de 0,2 cm entre parágrafos e maior ainda entre seções. Tabelas, tabelas, notas de rodapé sobre o óbvio, referências quaisquer, tabelas, margens ligeira e quase que imperceptivelmente maiores do que o usual, mas grandes o suficiente para ganhar uma página a mais, mesmo que ela contenha apenas 3 linhas. Ah, e mais tabelas.”

Sem comentários né, BC? Você realmente não está levando sua formação à sério. Ainda no ctrl-c/ctrl-v? Google é sua fonte de pesquisas acadêmicas? É, tem gente que pensa grande (muito mais de 20 páginas) e tem gente que pensa pequeno, não passa da próxima esquina, ops, página.

“Tudo isso emoldurado pelas normas grotescas da ABNT ou por padrões similares (e menos feios). Tem-se, então, como resultado de tal laboriosa confecção artística, um verdadeiro trabalho acadêmico, com 5 páginas de conteúdo e 20 de enrolação, o qual é recebido com entusiasmo pelo professor, que provavelmente irá apenas folheá-lo em busca de receitas de bolo ou ofensas e, caso não as encontre, lhe dará uma nota 8,0.”

Uma novidade agora pra você, BC. O professor lerá o trabalho sim. Lhe dará oito porque sabe que você é um caso perdido, que você vai continuar na sua vidinha medíocre, contando até 5. Vai pensar: que aluno imbecil, eu dei outra chance e ele acha que eu sou besta. E vai por um ponto final porque você é o tipo de aluno que não vale a pena, sacou? E, enquanto você ficar se vangloriando pros amigos dizendo “não falei, aquele professor passa todo mundo”, sua vida também que não passará da página 5.

“E aí eu volto a me perguntar: pra quê essa hipocrisia toda? Será que fere o orgulho de certos professores ver suas disciplinas semestrais reduzidas a 4 ou 5 páginas? Será que é por isso que pedem por 20, 30, 60 folhas de papel? Ou será que é apenas para usar a palavra «trabalho» em seu sentido literal e fazer os alunos sofrerem um pouquinho para serem aprovados?”

É só pra você deixar de ser medíocre, aprender a contar milhares. Mas é uma opção sua querer continuar na mesma onda.

“Pois, vocês sabem, não é tão fácil enrolar. Chega um momento onde é impossível continuar sem fazer um certo esforço físico, sem lutar contra as palavras que resumem muitas coisas em seus significados e sem buscar arduamente por aquelas que sejam mais vagas, mais maleáveis, sem buscar por quantificadores, conectivos, hipérboles sem propósito, digressões recursivas, analogias absurdas, obviedades, dezenas de sinônimos e clichês.”

Tá vendo só, BC, você mesmo responde suas inquietações: chega um momento em que é impossível continuar sem fazer um certo esforço. Adquirir conhecimento exige esforço. Pena que você não se deu conta, ficou na página 5. Perdeu um tempão no Ensino Superior, né? Percebi. Deveria ter ido mesmo para um curso técnico. Tem um monte de manuais neste tipo de curso, tudo bem resumido, e você não precisaria pensar, ou contar, já que lhe dói tanto. É só reproduzir, como uma máquina. O governo apita e o BC nem sabe do que se trata, obedece, ou critica sem fundamentos, porque não sabe passar da página 5.

“Tamanho, para grande parte das disciplinas, é documento. O conteúdo cai para o segundo plano e a relevância dos assuntos, em geral, para o terceiro. A aparência, até mesmo nesse caso, parece valer mais do que todo o resto. E não importa se tanto alunos quanto os professores estão cagando para tudo isso: é assim que deve ser.”

Que pena, BC. Pede pra Sair! Quem está cagando é você, e os professores que pensam como você (só que estes já estão sendo demitidos do Ensino Superior). Resta saber, então, pra onde você, BC, quer ir. Pede pra sair!

3 comentários:

Soll disse...

well, manoel,
diria que concordo com BC quanto às regras pelas regras tão aclamadas pela academia, por que é um fato, além de serem camisas de forças para seres verdadeiramente pensantes.
entretanto concordo com a professora quando diz que o aluno não quer passar da página cinco e por isso acha tudo "imbecilidade", perda de tempo e tal, por que ele quer continuar sendo operador de maquina e massa de manobra. ou seja, é burro.
Entao eu fico com a minha visao do paraiso, para quem quer cinco páginas que rale mesmo no google para completa-las e dentro das normas da ABNT como castigo, e para quem nao só deseja passar da pagina 20 como tem assunto para além da pagina 180 que se livre da academia e das normas rídiculas e anti-ambientais (gasto exagerado de papel)da ABNT escrevendo um livro ou publicando textos em blogs para os amigos lerem rsss :) (feito eu). bjim

Fernanda disse...

Soll, eu já estou achando tudo tão desorganizado, que ter método para a ciência não é tão ruim assim. Já que se trata de um valor de verdade. Para o pensamento livre, óquei, óquei, vamos aos livros e aos blogues. Bjosss

Anônimo disse...

oh amiga, oque é um " valor de verdade"? o que é "ci~encia"? "o que é verdade"? bjs