Para um professor gentil e carinhoso ... (pedidos!)

2 comments
O que eu acho legal de ter um blog é o contato direto com o leitor. Muitas vezes me xingam. Outras me elogiam, e por aí vai. E é muito bom ter leitores fieis. Por e-mail:

- Fernanda, por que você tirou aquele texto do professor carinhoso?

É sempre um Fernanda isso (que eu adoro), Fernanda aquilo (que eu adoro). E o de sempre: você deveria escrever um livro com essa sua história e coisa e tal (que eu acho engraçado). Daí tem o outro lado. O da ética. Então eu já vou logo limpando os pratos e dizendo que: gente eu sou humana, demasiadamente humana (que eu não acho engraçado, só acho humano). Ok?

Em outra ocasião assumi que nem eu fui capaz de fugir da endogamia acadêmica. Enfim, para satisfazer olhares curiosos, devolvo o texto de tanta discórdia. Só para datá-lo, ele foi escrito em 1999. É, a história é mesmo mais longa do que muita gente pensa. E é um texto realmente bonito, para quem ainda aprecia um amor romântico. ;)

_________________

PARÁFRASE:
PARA UM PROFESOR GENTIL E CARINHOSO

Porque você é um professor gentil e carinhoso e tem uma atenção que lhe é particular, eu quebro o juramento de não me apaixonar, salvo se você o fizer antes, o que, aliás, não vai nunca porque você acorda cedo, cheio de responsabilidades e gosta do seu lar: quero dizer, de sua esposa e filhos que lhe estruturam a vida.

E porque você tem um jeito especial e me deixou sem graça na noite paulistana em que disse a um amigo que eu era sua namorada e, como se não bastasse, ambos ficaram discutindo minha "beleza". E porque você, quando enamorado, quis me dar uma aliança para sagrar nosso romance e eu não deixei porque achava que não tinha nada a ver e você ficou com uma cara de dúvida tentando me entender. E porque pouco tempo depois você levou de volta a violeta que celebraria o dia dos namorados e, sem saber o que fazer com ela, deu para uma secretária da faculdade e depois me contou só pra me fazer inveja. E porque você quando começou a se interessar por mim, procurava fazer com que eu sempre desse uma passadinha pela sua sala só para você ter o prazer de me dar uma piscadinha, a fim de me tornar sem graça, igual aquele outro dia em que você me tomou pelos braços bem na frente de um colega seu de trabalho e sussurrou no meu ouvido que eu estava bonita, obrigando-me logo em seguida a dizer o que não era. E porque você tem um rosto que está sempre procurando acalanto, mesmo quando tudo parece estar acontecendo como deveria, e anda preocupado, mas que não fica, nunca, chato. E porque você é um homem gentil e carinhoso, eu lhe predigo, ainda, muitos momentos de felicidade ao meu lado, pelo menos até quando eu me encontrar cansada, quando eu der uma paradinha marota e quiser seguir adiante, aí você pode se mandar.

E porque você é um professor gentil e carinhoso e tem um andar medieval; e porque você quando leciona nem um aluno deixa de ouví-lo tão pouco desaparece de sua sala, e você se orgulha e fica até tarde tentando ajudá-los feito um maluco mas, no fundo, você sabe que isso não passa de sua necessidade. E porque você me faz uma pessoa querida, mais do que eu poderia imaginar, e nem por isso fez com que eu esquecesse um velho amor. E porque você, com ciúmes, ficou enrolando para deixar eu assistir a um jogo de basquetebol na televisão e também porque você, tempos depois, achou que fui muito da sacana quando fiz questão de ir ao seu encontro com aquele vestido, mas que mesmo assim me tomou em seus braços me trazendo certa tranquilidade. E porque você é um homem que tem sorrido pouco mas que é capaz de ficar me olhando horas. E porque você é um professor dedicado que por vezes não sabe como lidar com algumas coisas acadêmicas, e que vai ficando entristecido quando não enxergam seu valor e seu esforço. E porque você é um professor gentil e carinhoso e cativou meu coração, e adora vinho no gelo, eu lhe peço que nos deixe irmos juntos, até quando não pudermos mais.

E sendo você um homem gentil e carinhoso, eu lhe peço também que não suma como nesse último mês; fica tudo um vazio sem utilidade alguma, tão grande que me pego com a mão no queixo, a perna cruzada triste e aquele olhar que não vê. E como você é o único professor gentil e carinhoso que eu conheço, eu escrevi versos tão bonitos para você, a fim de que, quando tivermos que ser, você fique bem quietinho lembrando daquele pedaço em que eu digo que já não há mais espaço para reticências, nem para pontuações.

E já que você é um homem gentil e carinhoso e o meu coração se põe a bater cada vez mais depressa como naquela vez em que sentou-se ao meu lado no corredor da faculdade vendo em meu olhar distante a vontade de um denguinho, e tomando esta vontade para você. E porque você quando me recolhe em seu abraço o mundo a nossa volta se faz murmuroso enquanto a noite desce com seus segredos, suas mortes, seus espantos - eu sei, ah, eu sei que meu gostar de você é diferente de outros que já tive e ainda tenho; foram passando você de mão em mão, de mão e mão até mim; foram passando você até mim entre cantos, súplicas e vociferações - porque você é lindo, porque você me quer bem e sobretudo porque você é um homem gentil e carinhoso, e traz sempre uma flor perdida nas mãos.

2 comentários:

Soll disse...

lindo por demais! bjs

Anônimo disse...

Nossa, liindo. eu stou apaixonada por um professor meu, e isso bateu direitinho com meu caso *-* queria tanto tê-lo pra mim :'(