Negociata

4 comments
Eu estou me sentindo um peixe fora d´água no doutorado, e por diversos motivos. De repente eu me olho e não me vejo, o que me causa certa angústia. Quer dizer, meu orientador, por exemplo, nunca leu minha dissertação de mestrado, e eu nem posso ficar puta, de jeito nenhum, porque eu nunca li nada do meu orientador. Empatamos, mas saímos perdendo.



Eu me olho, e cada vez que me vejo, quando me encontro, tenho a certeza de que estou pagando o preço do amor. Um preço alto até, para um amor que virou ódio, ou algo que o valha quando as fichas começam a cair e você se sente diminuído em seus próprios sentimentos, ou ainda quando você se surpreende com você mesmo e descobre existir dentro da sua alma um doce exercício de vingança. Algo que te faz bem, que te faz rir e que te devolve ao prumo do mundo de seu próprio corpo.

E por causa disso, eu e meu orientador empatamos, mas saímos perdendo. Quer dizer, como é que eu poderia me sentir sendo o assunto principal de um diálogo como este aqui de baixo?

- Por que você está tão interessado que ela entre no doutorado? Já comeu?
- Já, e sou apaixonado por ela.

Não sei até que ponto eu retrato a realidade desta conversa, pois eu não estava lá. E é ruim para uma mulher saber que sua vida foi negociada neste nível. Então eu me questiono, todos os dias, o que é que eu estou fazendo com a minha vida?

4 comentários:

Anônimo disse...

talvez vc esteja batalhando pelo amor tbm, mas em outra esfera, e daí todos empatam novamente. um pq ama e abre a porta, outro pq deve e já amou ou ama ou amará e vc pq deseja realizar seu ideal pq ama a possibilidades de dizer ao mundo o que pensa e ganhar por isso. mas uma vez, um empate, ainda que "mais técnico", de outra dimensao. nao há vida sem negociata, sendo presa ou caçador. bjs soll

Anônimo disse...

E o que é a vida senão a entrega aos sentimentos, principalmente para quem os vive intensamente? É difícil não nortearmos nossas atitudes por eles! Mesmo que sejam os sentimentos de vingança, de raiva e etc.!
Muitas vezes eu, que sou mais emoção do que qualquer outra coisa, me acho idiota por ter tomado uma atitude tão sentimentalista, ou prejudico a mim mesma, mas não sei ser diferente! E eu concordo com o comentário acima quando diz que vc ama a possibilidade de dizer ao mundo o que pensa, assim como a possibilidade de fazer a diferença!
E penso que é isso que vc está fazendo com a sua vida! Lutando e enfrentando situações difíceis para ser aquela que faz a diferença! Pessoa que vc já é!
Bjão!

Anônimo disse...

Ninguém disse que viver é fácil, ainda mais quando se decide verdadeiramente viver a vida, e sentir, e escolher.
Um amigo uma vez me disse que nunca alguém é afetado por outro alguém, sem que essa pessoa B tb seja afetada. Um outro amigo completou, que o sentimento e como uma linha de dois polos - como amor e ódio - e o sentimento desses dois indivíduos se localizam ai, nessa linha imaginária.
Ainda não me decidi se escolhemos ama ou não, a verdade é que o amor acontece, e por várias razões não dá certo, e o sentimento caminha um pouco pro polo oposto. Á vezes é raiva pela vida ter brincado assim com vc, te colocado numa situação sem saída...
Sei lá, divaguei demais...

Fernanda Ramirez disse...

Eu acho que este post foi um dos mais difíceis que escrevi. Escancarar uma situação como esta, que vivi e vivo não é algo que a gente sai dizendo ai, aos 4 ventos. Mas foi o post em que mais gostei dos comentários que foram escritos e, não, não há divagações demais. Ainda bem que não é fácil viver, porque, devo ser sincera, eu gosto é mesmo do desafio que a vida me coloca, e que eu ainda sou capaz de amar (e de odiar às vezes) ou capaz de começar tudo de novo, quantas vezes forem preciso. Abrigada por comentarem! Um abraço. Fernanda