Doutor é quem tem doutorado?

Leave a Comment
Tem coisas que me cansam. Em se tratando da universidade, algumas me cansam mais ainda. Então umas pessoas resolveram pautar que doutor é quem tem doutorado. E apenas quem tem doutorado. E o doutor como sinal de respeito, já era? O doutor advogado, o doutor psicólogo, o doutor patrão, o doutor vereador (tem aquele que o valha), o doutor prefeito (tem aquele que o valha), o doutor padeiro e o doutor motorista de carro diante de alguém pedindo esmola, ajuda ou coisa que o valha? Este doutor aí já morreu só porque, para alguns que não teêm mais o que pensar em termos sociais (como se o país não precisasse de boas idéias para problemas mais emergenciais, como o básico saneamento básico), doutor é quem tem doutorado? Não morreu não, e nem vai porque se trata de um doutor de respeito.

Então eu fico meio puta, ou escandalizada, quando eu vejo pesquisadores doutores, cujo título lhe veio por mérito acadêmico - o que impõe um certo respeito, concordo - brigando por causa pouco nobre ao gritarem pelos quatro cantos do mundo que doutor é quem tem doutorado (acadêmico, insitucional, escravizador) como se isso fosse a briga mais importante do mundo, que vai mudar os padrões sociais e coisa e tal. Só que no paradoxo da coisa, doutor que é doutor assim não merece lá tanto respeito porque isso parece revelar apenas uma vaidade e uma insegurança de mercado. Em último caso eu considero que, talvez, possa ser uma luta para que a sociedade respeite a educação, e coisa e tal, mas isso seria muito ingênuo de minha parte, deixando tudo uma coisa meio tosca mesmo, fadada ao "eu é que sou mais e coisa e tal".

Neste foda-se você sem título, sem estar digno de sapiência sobre qualquer tema, esta briga de classes me parece mais uma heresia. Então eu quero deixar bem claro: cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é. Com ou sem título. E nem preciso lembrar aqui os ínumeros títulos de doutor comprados, a falta de responsabilidade e critérios acadêmicos pouco adequados e coisa e tal, né? É, acho que não preciso.

0 comentários: